Archive for fevereiro, 2010

IAEP OFERECE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO PARA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM E ENFERMEIROS

fevereiro 24th, 2010

O instituto Anchieta de Ensino ePesquisa (IAEP) tem como objetivo o aperfeiçoamento contínuo dos diferentes profissionais da área desaúde.

Comeste intuito o Instituto promoverá em março os cursos- Éticae legislação Aplicada à Enfermagem, com carga horária de 3 horas/aula einscrições abertas de 01/03/2010 a 26/03/2010 no IAEP.
As inscrições terão valos de R$ 33,00 e serão realizadassomente com cópias do RG e CPF.

O Instituto promove também o curso-Interpretaçãode Exames Laboratoriais, com objetivode fornecer subsídios para oenfermeiro na interpretação de exames laboratoriais, oferecendo-lhe,aindaconhecimento sobre alterações fisiopatológicas associadas.

Inscrições de 03/02/2010 a 05/03/2010no IAEP no valor de R$74,00. O curso terá carga horária de 8 horas/aula com inicio de cursoem10/03/2010 a 11/03/2010, das 18h às 22h

Paramais informações: instituto@hospitalanchieta.com.brou 3353-9433

Fonte: ttp://www.portalcofen.gov.br

ENFERMAGEM CONQUISTA IMPORTANTE VITÓRIA NO ESPÍRITO SANTO

fevereiro 23rd, 2010

A enfermagem brasileira, especialmente a do Espírito Santo, obteve uma importante vitória contra o Conselho Regional de Medicina do Estado. Isso porque a enfermeira Josilene Penha Labanca, de 44 anos, foi inocentada da acusação de prática ilegal da Medicina feita pelo CRM-ES. O CRM baseou suas acusações na alegação de que a profissional realizava consultas, prescrevia medicamentos e solicitava exames clínicos, atentando contra a saúde pública.

 Porém, o CRM não atentou-se ao fato de que Josilene faz parte do Programa Saúde da Família, nem mesmo considerou a legislaçao que rege tal sistema. Criado para dar maior assistência, promover a saúde, prevenir doenças e proporcionar reabilitação, o PSF permite ao enfermeiro uma série de atribuições (ver abaixo)*

 Sabe-se que é função dos Conselhos Profissionais fiscalizar o exercício ético-profissional das profissões regulamentadas por lei, como é o caso da Enfermagem e da Medicina. No entanto, as leis nºs 7.498/86 (art.11), o Decreto nº 94.406/87 (arts.8º e 11º) e a Resolução do Cofen 195 (art.1º) não deixam margem quanto a licitude das atividades exercidas pela enfermeira Josilene, conforme relatou o desembargador federal Fernando Marques na apelação cível.

 O Ministério Público, por sua vez, também não identificou qualquer conduta lícita por parte da profissional e pediu o arquivamento dos autos.

 Assim, de acordo com o desembargador federal, ainda que o CRM-ES tenha agido diante de suas atribuições, a acusação se deu de forma injusta, despropositada e leviana, pois a atuação da enfermeira Josilene Penha Labanca está amparada em leis federais e portarias do Ministério da Saúde, sendo ela, além disso, considerada como excelente profissional, segundo depoimentos colhidos.

 Portanto, o Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo teve seu recurso negado e respondeu pelo dano causado à enfermeira, tendo a autarquia que arcar com indenização por danos morais e danos materiais.


*Atribuições do enfermeiro do PSF:

- Realizar assistência integral (promoção e proteção da saúde, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde) aos indivíduos e famílias em todas as fases do desenvolvimento humano: infância, adolescência, idade adulta e terceira idade; 

 - Realizar consultas clínicas e procedimentos na USF( Unidade de Saúde Familiar) e, quando indicado ou necessário, no domicílio e/ou nos demais espaços comunitários (escolas, associações, etc);

- Realizar atividades de demanda espontânea e programada em clínica médica, pediatria, ginecoobstetrícia, cirurgias ambulatoriais, pequenas urgências clínico-cirúrgicas e procedimentos para fins de diagnósticos;

 - Encaminhar, quando necessário, usuários a serviços de média e alta complexidade, respeitando fluxos de referência e contrareferência locais, mantendo sua responsabilidade pelo acompanhamento do plano terapêutico do usuário, proposto pela referência;

 - Indicar a necessidade de internação hospitalar ou domiciliar, mantendo a responsabilidade pelo acompanhamento do usuário.

 - Contribuir e participar das atividades de Educação Permanente dos ACS( agente comunitário de saúde), Auxiliares de Enfermagem, ACD( Atendente de Consultório Dentário) e THD( Técnico de Higiene Dental); e

 - Participar do gerenciamento dos insumos necessários para o adequado funcionamento da USF.

Fonte: http://www.portalcofen.gov.br

ENFERMEIRA HELEN PETROLINO FALA SOBRE O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL

fevereiro 19th, 2010
 

O Programa de Desenvolvimento Individual – PDI é um instrumento que tem como principal objetivo orientar e impulsionar o crescimento dos profissionais de uma instituição. A área da saúde, principalmente a enfermagem, usa o PDI como mecanismo facilitador para uma autocrítica sobre pontos fortes, pontos fracos, possibilidades e limites de seus colaboradores, tendo como base as aspirações individuais bem como os projetos e desafios da empresa.

Para conhecer um pouco mais sobre a importância do PDI para a enfermagem, o Portal esteve junto à enfermeira Helen Maria Benito Scapolan Petrolino, que cedeu um importante tempo de suas ações como Gerente de Desenvolvimento de Enfermagem do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para responder ás questões que muito interessam aos internautas.

 

O Programa de Desenvolvimento Individual (PDI) é mais uma ferramenta para a Gestão de pessoas? Quais são os objetivos ao se implantar o PDI?

Acredito que o programa reúne informações e propósitos que favorecem a gestão de pessoas. Ele traz maior objetividade e solidez a questões que anteriormente eram tratadas em uma base mais tênue favorecendo o reconhecimento das habilidades e potenciais inerentes a cada profissional considerando o momento de sua trajetória de vida pessoal e profissional. Os objetivos convergem ao cumprimento de cada etapa nessa trajetória e da utilização de recursos a esses propósitos, sendo o mais relevante, identificar nas pessoas seu nível de conhecimento e habilidades assim como seu potencial de desenvolvimento, buscando sua adequação ao cargo e satisfação no trabalho.

Quais são as etapas do processo deste Programa?

O programa está estruturado em etapas fundamentadas na trajetória de carreira, considerando desde o ingresso do profissional na empresa ou nova função e área de atuação, atendendo ao perfil do cargo que ocupa. Conta com o programa de treinamento admissional aplicado na chegada à empresa e também à mudança de cargo ou função e de treinamentos direcionados ao desenvolvimento do conhecimento e habilidades, conduzidos à enfermagem por meio de capacitações externas, em âmbito institucional e localmente na unidade de atuação.

Quais estratégias são usadas e qual é o prazo para que sejam cumpridas?

As estratégias são variadas e os prazos atendem ao que foi definido no PDI ou no planejamento anual. Vão desde o levantamento de necessidades de treinamento até a metodologia de condução e avaliação dos programas e resultados individuais. Uma estratégia que considero valorosa é a análise crítica e o envolvimento das pessoas na busca do conhecimento.

Quais indicadores são usados para avaliar o desenvolvimento de cada colaborador?

De forma direta resultados de avaliação de competência teórica e prática, participação em treinamentos e eventos científicos, produção técnica, científica e acadêmica por meio de análise curricular orientada. De forma indireta e considerando o cargo que ocupa os resultados de produção e qualidade inerentes à área de atuação.

Como é elaborado o PDI?

A partir da interface dos serviços de Desenvolvimento Organizacional, de Desenvolvimento de Enfermagem, do gestor e do colaborador, considerando a avaliação de desempenho como instrumento formal. O PDI deve ser realizado, analisado e revisado anualmente.

Como o profissional deve/pode utilizar o PDI no seu processo de crescimento profissional e pessoal?

A empresa deve orientá-lo sobre o programa adotado e o profissional deve buscar sua participação em cursos de reciclagem, de educação continuada, treinamentos e tomando conhecimento das possibilidades reais de promoção.

Qual é o principal enfoque do PDI? Este enfoque varia de pessoa para pessoa ou mesmo da área de atuação do enfermeiro?

O principal enfoque é o desenvolvimento do conhecimento e habilidades direcionadas ao cargo que ocupa, mas que também permita transcender o conhecimento preparando-o para uma nova ocupação e/ou cargo, ou seja, o enfoque pode variar de pessoa para pessoa ou mesmo da área de atuação na dependência do potencial identificado na pessoa e que seja de interesse, mesmo que futuro, da empresa.

Como é feita a análise dentro do Hospital Sírio Libanês para identificar o que o indivíduo necessita para o seu desenvolvimento?

O analisamos através de várias fontes, dentre elas as aptidões relacionadas ao perfil do cargo e área de atuação, seu desempenho individual e coletivo, resultados de produção do setor, aquisição de novas tecnologias, metodologias de trabalho e serviços.

Como você avalia o desempenho de um profissional da enfermagem (somente os enfermeiros são avaliados ou os auxiliares também)?

Todos os profissionais de enfermagem assim como todos os colaboradores são avaliados. A ferramenta é única e construída pela área de Desenvolvimento Organizacional. Adicionalmente na enfermagem, na dependência do cargo e área de atuação, outros instrumentos de avaliação teórica e prática são utilizados no sentido de oferecer informação mais detalhada e consistente ao processo.

Quais dicas você daria para a instituição reter talentos, ou seja, para reduzir a rotatividade entre os colaboradores?

É muito importante que a instituição reconheça o valor das pessoas na empresa. Além disso, viabilizar oportunidades para o desenvolvimento das potencialidades dos indivíduos, promovendo a parceria com o seu gestor.


O que o enfermeiro deve fazer para que a instituição em que ele trabalha o reconheça como profissional de valor?

Ele deve buscar a atualização técnico-científica e sua aplicação clínica desenvolvendo metodologias de trabalho pautadas em uma base sólida de conhecimento, mapeando processos de trabalho e apresentando resultados favoráveis à satisfação do cliente e área de negócios da empresa.

Quais dicas você passa aos interessados em desenvolver um PDI em sua instituição?

Elabore um modelo que seja factível de operação na sua instituição, envolva os gestores na sua condução e torne-o acessível a todos os colaboradores de enfermagem. Mantenha-os informados daquilo que oferece, dos resultados e conquistas, valorize a parceria que existe entre vocês em prol do desenvolvimento comum.

Fonte: Portal Sérgio Luz

Fonte: http://www.portalcofen.gov.br

XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM EM NEFROLOGIA RECEBERÁ CONVIDADOS INTERNACIONAIS

fevereiro 9th, 2010

Desta vez a escolha para sediar o XXV Congresso Brasileiro de Nefrologia, o XV Congresso Brasileira de Enfermagem em Nefrologia e o III Congresso Luso-Brasileiro de Nefrologia foi Vitória-ES.

O Congresso terá inicio no dia 11/09/2010 e término em 15/09/2010 no Centro de Convenções de Vitória (Rua Constante Sodré 157, bairro Santa Lucia).

As inscrições poderão ser feitas através do site do evento onde deverá ser preenchido o formulário e deverá ser paga uma taxa que varia de acordo com a data de inscrição. O evento contará com a presença de convidados internacionais e especialistas brasileiros.

Mais informações: http://www.nefrologia2010.com.br/

Fonte: http://www.portalcofen.gov.br

CRESCE NÚMERO DE PACIENTES DE TERAPIAS ALTERNATIVAS DO SUS

fevereiro 8th, 2010

O número de pessoas que usam procedimentos da medicina não convencional, como acupuntura, Tai Chi Chuan, fitoterapia e homeopatia, aumentou entre 2007 e 2008 no Sistema Único de Saúde (SUS). Também cresceu o investimento nas técnicas medicinais alternativas. Dados do Ministério da Saúde revelam que foram feitos 216.616 procedimentos de acupuntura em 2008, ante 97.240 no ano anterior, representando aumento de 122%. As práticas corporais, como Tai Chi Chuan e Lian Gong, registraram aumento de 358% no mesmo período – foram 27.646 práticas em 2007 e 126.652 em 2008.

Em 2006, o Ministério da Saúde criou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) por meio de portaria do Ministério da Saúde em 2006, que autorizou terapias alternativas no SUS e uniformizou procedimentos para a prestação desses serviços feitos na rede pública municipal. Com isso, aumentou ainda o número de municípios que oferece algum tipo de terapia alternativa: em 2004 eram 230 cidades e, em 2008, 1.340.

Entre 2000 e 2008, o Ministério da Saúde aumentou em 383% o investimento em consultas homeopáticas, passando de R$ 611.367 para R$ 2.953.480. No mesmo período, o investimento em acupuntura cresceu 1.420%, subindo de R$ 278.794 para R$ 3.960 120. Este ano, o ministério vai financiar a produção de seis medicamentos fitoterápicos à base de alcachofra, aroeira, cáscara sagrada, garra do diabo, isoflavona da soja e unha de gato.

Agora, o Ministério da Saúde quer priorizar a difusão de informações sobre essas técnicas para pacientes, gestores e profissionais de saúde. “Já temos um número 0800 que presta informações sobre os procedimentos, suas indicações e contraindicações, mas precisamos divulgar mais e incentivar mais ainda o uso dessas terapias. A OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda há anos a inclusão das práticas tradicionais e o uso de plantas medicinais, por exemplo”, disse a coordenadora do PNPIC, Carmem De Simoni.

Dentro do programa há dezenas de terapias incluídas em cinco áreas distintas: a Medicina Tradicional Chinesa (práticas corporais, shiatsu etc.), acupuntura, homeopatia, fitoterapia, termalismo social e crenoterapia (uso de águas minerais de forma complementar a tratamentos de saúde) e medicina antroposófica (que busca o conhecimento do ser humano considerando sua relação com a natureza, sua vida emocional e sua individualidade).

Na cidade do Rio há atualmente 64 unidades que oferecem algum tipo de serviço de medicina não convencional desde 1992. Entre 2007 e 2009, quando 296 mil pessoas foram atendidas nas unidades de saúde, houve um aumento de 120% de beneficiados. Segundo a gerente de Práticas Integrativas Complementares da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil, Cristina Barros, a maior parte dos usuários recorre aos medicamentos homeopáticos e a procura por fitoterápicos está aumentando.

“Queremos dar ênfase à promoção da saúde e no nosso caso esses tratamentos são sempre complementares aos programas que temos. O paciente com diabetes, por exemplo, é encaminhado para o serviço de massagens nos pés, enquanto o hipertenso geralmente vai para serviços de atividades físicas, como o tai chi chuan, e o idoso com dor recebe indicação do tratamento de auriculoterapia, que é anti-inflamatório”, disse Cristina.

 

Fonte: Agência Estado

ÔNIBUS DO COREN-SP ESTARÁ EM ITANHAÉM ATÉ SEXTA-FEIRA

fevereiro 4th, 2010

 

Até o final desta semana, o ônibus do COREN Itinerante, iniciativa do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, estará em Itanhaém para atender os profissionais da cidade e da região. Até hoje (04) o posto atende das 8h às 17h e, na sexta-feira, das 7h as 12h, na Base do Samu, na estrada Gentil Perez, 260.

A expectativa é de atender por volta de 300 pessoas, seguindo a média dos outros municípios atendidos. Um dos serviços mais procurados pelos inscritos no COREN é a regularização financeira, troca de categoria profissional e recadastramento.

Os conselheiros lembram que este recadastramento está sendo realizado de forma gratuita e deve ser feito por todos os associados, para a troca da carteira de identificação do órgão. Além disso, o COREN Itinerante oferece inscrições provisórias e definitivas, transferência, cancelamento, regularização de pendências financeiras, palestras, orientação profissional, assistência jurídica e administrativa entre outros.

A cidade de Itanhaém, no Litoral Paulista, recebeu também na última terça-feira (02) a visita do presidente do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, Claudio Porto, para o evento Café com o Presidente, que reuniu cerca de 30 Enfermeiros Responsáveis Técnicos do município e da região.

Durante o evento, os profissionais que são os responsáveis pela área de enfermagem em instituições de saúde públicas e privadas puderam conversar e interagir, além de fazer sugestões e tirar dúvidas sobre legislação, cursos de aperfeiçoamento e outras áreas.

Para o COREN, estes encontros servem para verificar as necessidades dos enfermeiros e traçar ações que possam colaborar para a melhoria do setor. Até este ano o Café com o Presidente era restrito a São Paulo, porém, com o sucesso do ônibus de atendimento itinerante verificou-se a importância de descentralizar estes encontros.

Entre os pedidos dos enfermeiros estão cursos de aperfeiçoamento de docentes, que já acontece em São Paulo em parceria com a ABEN-SP, e também outros treinamentos em protocolo e atendimento que serão organizados pelos profissionais da região e o COREN – SP.

 

Fonte: Segs – Portal Nacional

Theme Tweaker by Unreal